Publicado em 31/10/2023 21:03:17 - Atualizado em 11/02/2024 08:51:47

ONG ARA perde tutela de búfalas de Brotas após decisão judicial; duas entidades se apresentam para cuidar dos animais

Irmãos de fazendeiro acusado de maus-tratos foram nomeados como novos administradores do rebanho. Ministério Público defende entrega dos animais para entidades.

ONG ARA perde tutela de búfalas de Brotas após decisão judicial; duas entidades se apresentam para cuidar dos animais
Foto: Fabio Rodrigues/g1

Búfalas foram encontradas desnutridas (à esquerda) e hoje vivem em condições adequadas em fazenda de Brotas — Foto: Polícia Ambiental e Fabio Rodrigues/g1

Búfalas foram encontradas desnutridas (à esquerda) e hoje vivem em condições adequadas em fazenda de Brotas — Foto: Polícia Ambiental e Fabio Rodrigues/g1

 

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve, nesta terça-feira (31), a decisão da Comarca de Brotas (SP) e destituiu a ONG Amor e Respeito Animal (ARA) do encargo de depositária das mais de mil búfalas resgatadas em situação de maus-tratos, na Fazenda Água Sumida, há quase dois anos.

Para a Justiça, a ONG deixou de apresentar documentos de registros, plano de manejo e não realizou a devida manutenção na fazenda, permitindo que animais invadissem propriedades. (Entenda abaixo).

A ONG tem até o dia 14 de novembro para deixar as dependências da fazenda. Nesta terça, duas entidades se apresentaram à Justiça e demonstraram interesse em compartilhar os cuidados com os animais.

Em nota, a ONG informou que durante os últimos dois anos buscou o melhor para os animais e encarou muitos desafios, "que só foram superados com o auxílio de todos os envolvidos como voluntários, apoiadores, jurídico, veterinários e tantos outros". (Veja abaixo o posicionamento completo.)

Voluntários ajudam búfalas em situação de abandono em Brotas — Foto: Fabio Rodrigues/g1

Voluntários ajudam búfalas em situação de abandono em Brotas — Foto: Fabio Rodrigues/g1

 

Nomeação de novos depositários 

Na decisão de sexta (27), a juíza Marcela Machado Martiniano nomeou os irmãos do fazendeiro Luís Augusto Pinheiro de Souza, acusado de ser responsável pela situação de maus-tratos, como os "novos depositários e administradores do rebanho até a sua destinação definitiva", já que os animais podem ser destinados a alguma outra entidade que esteja interessada em cuidar das búfalas.

Souza chegou a ser preso, mas foi solto em junho de 2022, cumprindo medidas cautelares.

No documento, ela argumenta que a ONG foi intimada diversas vezes para apresentação de plano de manejo dos animais, para transportá-los a outro local, mas se limitou a requerer dilações de prazo, sem apresentar um plano efetivo.

Caso das búfalas de Brotas (SP) completa um ano e animais seguem em recuperação na Fazenda Água Sumida — Foto: Fabio Rodrigues/g1

Caso das búfalas de Brotas (SP) completa um ano e animais seguem em recuperação na Fazenda Água Sumida — Foto: Fabio Rodrigues/g1

 

Além disso, a Justiça argumentou que não foram apresentados registros zootécnicos e de vermifugação de equinos, as búfalas que estavam na área de recém-paridas estavam com grau de bem-estar baixo, e cochos e bebedouros estavam vazios.

A defesa da ONG ARA pediu, em 2ª instância, um efeito suspensivo "para concessão do prazo de 30 dias, ou outro equivalente, que permita o deslocamento dos voluntários e demais equipamentos pesados que estão na fazenda”.

O pedido, contudo, foi negado nesta terça. Porém, de acordo com o relator Roberto Maia, "não se pode perder de vista que a presente ação tem por objetivo central garantir a incolumidade física e psíquica do rebanho dos búfalos". Ou seja, caso tenha alguma entidade interessada em cuidar dos animais, a preferência será por essa opção.

Durante a tarde, duas entidades de proteção animal se apresentaram à Justiça e demonstraram interesse em compartilhar os cuidados com os animais. 

O que diz o MP? 

Ainda durante esta tarde, o Ministério Público (MP-SP) se manifestou favorável a entrega dos animais para entidades que estejam interessadas no recebimento dos búfalos.

O órgão também se manifestou contrário à uma possível venda dos animais para abate. "Finalmente, quanto ao pedido de fls. 5335/5348, o Ministério Público se manifesta contrariamente, na medida em que, além de existirem novas entidades com interesse no recebimento dos animais (fls. 5351/5355), a insurgência dos requeridos, se o caso, deve ser objeto do competente instrumento recursal, devendo, por ora, serem observadas todas as condicionantes". 

O que diz a ONG ARA?

Alex Parente, presidente da ONG ARA, que atua no cuidado das búfalas de Brotas — Foto: Fabio Rodrigues/g1

Alex Parente, presidente da ONG ARA, que atua no cuidado das búfalas de Brotas — Foto: Fabio Rodrigues/g1

 

Veja abaixo o posicionamento completo da ONG ARA:

"Durante os últimos dois anos, a ONG ARA buscou o melhor para os animais, tendo encarado muitos desafios, sendo possível apenas com o auxílio de todos os envolvidos, como voluntários, apoiadores, jurídico, veterinários e tantos outros que contribuíram para recuperar as Búfalas.

O plano de manejo sempre foi um desafio, além de outras dificuldades criadas por terceiros, como as constantes destruições das cercas da fazenda, relatadas às autoridades.

Como prioridade esteve sempre a recuperação total dos animais, fazendo com que a ONG não pudesse, por muito tempo, dar uma opção de retirada dos mesmos. Um plano de manejo de 1.000 animais de grande porte, debilitados, é algo extremamente complexo, delicado e custoso, principalmente pela intenção, inicial, de destinação dos animais à um único lugar, levando, ao final, a ONG ARA a apurar outras entidades que pudessem, em conjunto, receber os animais em locais distintos.

O plano de manejo por vezes precisou ser interrompido por outros pontos de debate no processo, que tramitavam simultaneamente e, infelizmente, fomos surpreendidos com a destituição.

A pretensão da ONG ARA sempre foi pelo bem estar e cuidado com os animais, recebendo com muito receio a notícia da destituição do encargo de guarda dos animais. Entretanto, com a apresentação de outras entidades igualmente qualificadas, a ONG ARA se mostra mais tranquila, por garantir que os animais seguirão bem cuidados e não que retornarão ao sistema de exploração e maus-tratos que se encontravam quando estavam com os Réus.

 

A ONG ARA espera que o Poder Judiciário olhe pelos animais, seus nomes e suas histórias e permita que as novas entidades que se apresentaram possam seguir com o trabalho de proteção e cuidado deles, às quais somos gratos". 

Maus-tratos 

Em novembro de 2021, após denúncias, a Polícia Ambiental encontrou mais de mil búfalas em situação de abandono em uma fazenda de Brotas.

De acordo com a polícia, os animais estavam em péssimas condições, sem comida e água. Pelo menos 22 deles já estavam mortos.

Souza chegou a ser multado em mais de R$ 4 milhões e foi preso por maus-tratos, entretanto, saiu da cadeia após pagar fiança. Ele voltou a ser preso novamente em janeiro de 2022. Em 17 de março, o Supremo Tribunal Federal (STF) negou um novo pedido de habeas corpus feito pela defesa.

Voluntários se mobilizaram para cuidar dos animais e, liderados por Alex Parente, da ONG Amor e Respeito Animal (ARA), começaram a trabalhar na recuperação dos bubalinos, além de travar uma briga judicial pela tutela do rebanho que foi doado à ONG no dia 20 de janeiro.

Em dezembro de 2021, pelo menos 98 carcaças de búfalos foram localizadas e desenterradas por peritos da Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Estadual Paulista (Unesp) na fazenda.

O relatório final da perícia ambiental concluiu que as búfalas passaram por mais de um período de estresse, sem alimento e água.

Fonte:  Ana Marin, g1 São Carlos e Araraquara


Categorias: Região
Mais Notícias

Página 1 de 366